Archive for the ‘lições’ Category

Como jogar futebol – lição 1

Fevereiro 27, 2009

O futebol é um jogo colectivo e apesar das individualidades poderem fazer (e fazem muitas vezes) a diferença… devia ser este o primeiro filme a ser mostrado numa escola de futebol:

 http://videos.sapo.pt/0Mzuegf0cD08lT0Ck6y5

Golo do Metalist da Ucrânia, contra a Sampdoria, ontem, em jogo da Taça UEFA (resultado final: Metalist 2-0 Sampdoria.

🙂 A

Anúncios

Uma definição de História

Março 20, 2008

🙂 A

Sabe mais do que uma menina de 2 anos?

Novembro 26, 2007

http://www.biertijd.com/mediaplayer/?itemid=4023 

😉 A 

Ser sócio honorário do Benfica não é tão fácil como ser condecorado com a ordem da Liberdade ou da Cruz de Cristo…

Outubro 30, 2007

Estamos mal enquanto o dinheiro condicionar totalmente a forma de gerir e actuar no Benfica.

Estamos mal enquanto a direcção propuser o título de sócio honorário a Granadeiro… que nunca fez nada pelo Benfica sem ser promover a sua própria marca e pagar o devido preço!

Estamos bem enquanto os sócios do Benfica forem assim:”Numa noite agitada, Luís Filipe Vieira viu ainda chumbada a proposta para tornar Henrique Granadeiro, presidente da PT, sócio honorário do Benfica. Esta pretensão foi chumbada com 1734 votos contra, com apenas 1279 a favor e 105 abstenções.” in maisfutebol.iol.pt/noticia.php?id=872587&div_id=1456

Lição: Ser sócio honorário do Benfica não é tão fácil como ser condecorado com a ordem da Liberdade ou da Cruz de Cristo…

“O sol e o menino dos pés frios”

Outubro 26, 2007

Chegou-me este e-mail. Não conheço a Comunidade Vida e Paz, mas esta equipa tem, desde já a minha admiração: Ouvem as pessoas. Por isso, aqui fica, para que quem passa pelo mundodosol possa ajudar a aquecer os pés frios:

“Campanha – Junta as tuas meias às minhas… e torna os dias e as noites de Lisboa mais quentes!
Campanha de Angariação de Meias para os Sem Abrigo de Lisboa
Comunidade Vida e Paz, Equipa B – Volta de 4ªFeira
Somos uma das muitas Equipas de Rua que colabora com a Comunidade Vida e
Paz no apoio aos Sem-Abrigo de Lisboa durante a noite.
E todas as noites ouvimos o mesmo pedido: Têm meias? Têm meias? Têm meias?
Pegámos nestes pedidos e decidimos realizar esta Campanha – Junta as tuas meias às minhas… e torna os dias e as noites mais quentes!

Objectivo – angariar 5000 pares de meias até à noite de Natal!

Para quem estiver interessado em aquecer os dias e as noites – contacte-nos
por mail!
vsophya@hotmail.com
Muito Obrigada pela ajuda… e pelas meias!
Sofia Valente”

Quanto ao titulo escolhido para este post, é um conto de Matilde Rosa Araújo, lido algures na minha 3.ª classe: “O sol e o menino dos pés frios”

Recebido por email…

Outubro 23, 2007

Questões:
1) Será que os pinos estão bem presos ??????
2) Como é que vão conseguir tirar o carro ?????
3) E, sobretudo, quando é que se vão aperceber da borrada ?????

obras inteligentes

Ouvido numa festa de empresa…

Outubro 7, 2007

“Há as que gostam de louros, as que gostam de morenos e as que gostam… de chefes!”

(só não posso dizer quem estou a citar ehehehe, mas mto bem visto!)

Fujam… Estudos de quando eu pensava que ia ser jornalista

Setembro 26, 2007

Texto realizado para uma das cadeiras de jornalismo que frequentei enquanto tb acabava o curso de Direito…

Manufacturing Consent

O documentário Manufacturing Consent introduz-nos à vida e obra de Noam Chomsky.

Noam Chomsky, professor no Massachusetts Institute of Technology (MIT), não se limita a ser um linguista de renome. Chomsky dedica grande parte do seu tempo a discutir o actual papel dos media naquilo a que chama o fabrico do consenso na sociedade de massas.

Podemos enquadrar a teoria de Chomsky na Teoria da Acção Política, na vertente de esquerda. Segundo a Teoria da Acção Política, as notícias servem interesses políticos e são, consequentemente, uma distorção sistemática da realidade que deviam – e podiam – espelhar. Para a vertente de esquerda da teoria, essa distorção deve-se ao facto de os jornalistas serem dependentes de um controlo ideológico: os media vão funcionar ao serviço da classe dominante. Fornecem a visão distorcida necessária para formar o consenso que interessa ao poder estabelecido.

Para Chomsky, a determinação daquilo que é notícia não é uma decisão independente do jornalista nem da organização jornalística. A notícia surge como determinada externamente, pelos poderes capitalistas. Chomsky destaca o poder dos anunciantes, dos donos dos grandes meios de comunicação social) e das fontes governamentais.

Analisando casos norte-americanos, Chomsky faz questão de afirmar e procurar demonstrar que a propaganda está para a democracia como a violência para a ditadura.

E vê propaganda no tratamento diferenciado de casos que considera semelhantes. Considera que só são noticiados os que interessam, sendo os outros escondidos. Tudo, sempre, para o fabrico do consenso que fortalece o poder estabelecido .

Além de não ser linear o tratamento de análise de conteúdo dado aos casos que o documentário mostra que o autor estudou, desde logo no caso Camboja vs Timor, importa também referirmos que esse estudo se realizou num momento próprio da história: a Guerra Fria. Mesmo que tenha tido aplicação, já não será essa a situação actual.

Para mais, na sociedade de hoje, e.g. com a internet, o acesso à informação é cada vez mais amplo e mais imediato.

Chomsky tem uma visão redutora do papel do jornalista. Não vê o jornalista como um profissional e nega-lhe autonomia. Parece ignorar a função de “contra-poder” ou “quarto-poder” que tantos atribuem aos jornalistas. E basta olharmos, por exemplo, para o caso Casa Pia para vermos como os media tantas vezes noticiam o que ao poder e às elites não interessa que seja notícia.

Há um certo consenso nos media, porque há consenso na sociedade. O consenso é uma das bases em que assenta a sociedade. É necessário e natural que existam valores fundamentais comuns.

Quanto à cobertura e tratamento semelhante dado pelos vários media aos casos que vêm ou não a ser notícia, isso não exprime necessariamente uma tentativa de fabrico de consentimento. Antes reflecte valores comuns de jornalistas cada vez mais instruídos e profissionalizados.

Acrescentemos que Chomsky tem em muito má conta o público em geral, que, a seu ver, simplesmente embarca nas artimanhas do poder sem qualquer vestígio de espirito crítico.

Champions League

Setembro 20, 2007

Futebol, lição I:

Deve ser a isto que se chama “ver jogar”…

O pequeno americano acordado

Agosto 1, 2007

Ontem, levámos os nossos amigos americanos-acabados-de-aterrar-em-Lisboa a ver a nossa cidade by night. Orgulhosa, apontei os principais monumentos, as vistas e as casas da Mouraria…

Mas o nosso pequeno amigo americano (de 13 anos) queria saber mais: Depois de, com um ar envergonhado, dizer “bem, nós temos o Bush….”,  quis saber como tudo funciona em Portugal, “quem manda, o Presidente ou o Primeiro Ministro?…”

 Lá explicámos o nosso sistema (pelo menos como era suposto ser). Logo veio outra pergunta: “What’s your Prime-Minister position on abortion?”

Assim voou a minha ideia estereotipada dos americanos…