Archive for the ‘surf’ Category

Bébé

Agosto 10, 2007

Não consigo parar de lhe pegar ao colo, não a quero deitar, por muito que saiba que é o melhor para ela.

 Deitei-a na nossa cama e fiquei a dar-lhe mimo.

 Fico a olhar para ela e a ver em cada pormenor, como é linda.

 Se sou assim com a nova pranchinha de surf que me ofereceste, como será quando tivermos filhos…

 😉 A

Anúncios

Detesto quando isto acontece

Julho 10, 2007

Um pensamento desde manhã: às seis da tarde arrancamos para a praia.

Chego, entusiasmada, da hora de almoço, vou a correr espreitar omundodasondas e deparo-me com isto:

 flat__

Não me deixo demover e acredito que o Neptuno tenha a gentileza de pelas 19h se abanar um bocadinho…

Ai Lisboa

Julho 6, 2007

Lisboa. O apelido da minha Bisavó. A minha cidade.

No Verão ficas resplandecente. Consolas quem cá fica a trabalhar com a tua luz e permites respirar férias apesar de tudo.

Permites uma hora de almoço assim:

hora de almoço na expo

Depois, às seis da tarde, uma corrida intensa, contra o trânsito, mas sempre com imagens fantásticas:

aqueduto

Às sete e um, chegada à praia e às sete e dez a surfar. O sol quase a deitar-se no mar, mas à saída da água ainda tens um abraço quente.

E mesmo no cansado regresso a casa, continuas linda:

ponte sobre o tejo

Querida, querida e inesquecível Lisboa. A amarra que me prende a Portugal.

Não te tenho no apelido, mas corres-me no sangue.

Bruscas mudanças de humor

Julho 1, 2007

Não sou uma pessoa fácil, admito-o. Mas ele é muito pior que eu.
Sábado, calmo demais, mal se mexia. Impossível sacar qualquer reacção.
Já hoje, a uns 800m de distância, conseguia ouvi-lo zangado. Aproximei-me e vi-o, estava agitadíssimo e espumava, literalmente.
Vá-se perceber o Mar.
Conclusão: este fim de semana não houve surf 😦

Deuses Desarrumados

Junho 13, 2007

– Arruma o quarto, Neptuno!
– Não fui eu, mãe, foi o Vento!
– Entende-te com o teu irmão! Mas depois não quero choradeiras por os surfistas não quererem brincar contigo!

tarde: mulher (quase) moderna…

Junho 9, 2007

Pois, a ideia era de tarde ser uma mulher moderna… Depois de levar o almoço ao Maridinho, ia ser o grito do Ipiranga…

Curtir a casa deserta, nada de limpezas, apenas o trabalho de preparar um sumo de tomate. Ler um livro sentada ao sol na varanda. Até aqui, cumpri a agenda.

Então, chegou o Mig e fomos para a praia. Sentindo-me uma verdadeira modernaça, eu fui surfar. Eis se não quando, acontece o imprevisto, hoje o Neptuno não estava tão querido…: a água salgada ardia-me nos olhos, quando eu queria entrar, o mar empurrava-me para fora, quando queria sair puxava-me para o seu infinito…

E pronto. Foi assim que a pretensa mulher moderna remou direitinho para junto do Marido que a apoiou até quase à beira-mar. Só cá fora ela se apercebeu – as gotas de água salgada não eram todas do mar.

Não contente, assim que despiu o fato, ainda foi vestir a camisola quentinha do Marido.

Enfim, salva pela mini-saia, que isso é coisa de mulher moderna sim!

Ir ao Surf

Junho 8, 2007

Digo que surfo, na realidade “arranho” umas ondas… Aliás, nem costumo dizer que vou surfar, digo antes: “vou ao surf”. Vou ao surf, como quem vai à pesca, ou seja, vou ver se consigo apanhar umas ondas. Dependo do que o mar me dá.

Ontem, ontem a pescaria foi boa. Fisguei uma onda onde consegui fazer uma manobra nova pela primeira vez. Um passo muito muito simples, mas com o impacto de um novo primeiro passo.

 Às vezes, os amigos ficam a espreitar o mar, esperando assistir a alguma proeza minha em terras de Neptuno. Normalmente o espectáculo não é bonito… Pois ontem, ainda bem que estavas lá e viste. Dás realidade ao meu novo primeiro passo 🙂

A

Sobrinho Boa Onda (post dedicado ao Diogo)

Maio 22, 2007

Que sorte “calçarmos” o mesmo número de prancha de surf!

 Grandes ondas que me emprestaste! Muito obrigada!

Sábado dia de Surf

Maio 19, 2007

Uma consulta rápida ao beachcam e ao windguru deixa-nos esperançosos, mas só na água teremos a confirmação. Saímos a correr para a praia. Ansiosos. Hoje temos pouco tempo, ainda tens que ir trabalhar. Passamos a ponte. O trânsito foi amigo, mas a luz laranja no teu carro não perdoa: paramos para gasolina. Aproveito e levo uma água. Seguimos ansiosos.

Finalmente na praia. A maré ainda vazia, mas um mar prometedor. Enquanto o mar sobe aproveitamos para pôr a conversa em dia com os amigos: Grandes e pequenas novidades, trocadas com o entusiasmo que ainda nos é próprio pois no fundo somos um grupo de crianças; com carta de condução e com um pequeno ordenado em vez de mesada, mas crianças.

É com um entusiasmo de miúdo que tu entras na água com as ondas ainda a rebentarem em terra. Eu armo-me em crescida e espero mais um pouco, mas não muito.

Sigo-te. Os primeiros passos na água revelam que ainda não é bem Verão. As ondas sorriem-me desafiantes. Tu também…

Começamos a remar e o primeiro spot não foi bem escolhido. Remamos para a direita, contra a corrente, em busca de um melhor spot. Depois para a esquerda. Tu ainda consegues uma onda com estilo. Mas escasseiam. O mar ri-se e envia os sets sempre para onde não estamos. Saímos para voltar a entrar naquele spot que avistámos.

Finalmente parecemos estar no sítio certo. A água já não está fria.

Uma onda leva-me, consigo um take-off rápido e até manobro um bocadinho. Volto bem humorada (antes estava com mau perder) para junto de ti e recebes-me com um sorriso orgulhoso.

Ficamos no mar até o cansaço nos arrastar para a praia, na boleia de uma onda.

Mais umas gargalhadas com os amigos e é hora de voltar ao mundo dos crescidos.

Mas soube a omundodosol esta manhã de Sábado.

A

Partida, Lagarta, Fugida!

Abril 25, 2007

Um Domingo gratuito a meio de uma semana eléctrica – que dádiva! Resta saber como o aproveitar.
Surf, trabalho (ah pois…), visitas, arrumações em casa,…
Dá para perceber porque os meus posts são tão pouco extensos?
Feriado, aqui vou eu!